quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Mesmo eu lutando pra não pensar nele, eu não lutava pra esquecê-lo.

Eu tive medo que – tarde da noite, quando a exaustão pela falta de sono quebrasse minhas defesas - eu acabasse me dando por vencida. Eu tive medo que minha mente fosse como uma peneira, e que algum dia eu não lembrasse mais a cor exata dos seus olhos, a sensação do toque da pele fria ou da textura da voz dele.

Um comentário:

  1. AAiin cada coiisa linda meu Deuus, sempre por aquii'!

    Beeijos'!

    ResponderExcluir